quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

ILUSÓRIA INTIMIDADE

Um dos grandes problemas das redes sociais é a falsa sensação de intimidade. Sei lá, têm pessoas que de repente adicionam os outros nos seus contatos e ficam fazendo brincadeiras que não tem nada a ver. Ser "amigo virtual" é um conceito meio complexo, porque só no dia a dia que sabe se é amigo ou não.
Por isso, fica a dica! Não force uma intimidade que não existe e se tem um conhecido na rede social não significa que seja seu amigo realmente. Muitas vezes, é só um contato de alguém que compartilha gostos em comum. Fica constrangedor quando um desconhecido força uma camaradagem inexistente.

Não quero dizer que não possa existir uma amizade através do mundo virtual, sei que há relacionamentos consistentes que passaram por esta experiência. Só que não creio nesta falsa intimidade invasiva, que certas pessoas fazem e nem conhece o outro realmente. Acham que podem fazer piadinhas e brincadeirinhas fora de contexto.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

momento de melancolia

É um fato que a Depressão é uma doença que precisa ser tratada, mas não se pode confundir com um momento de melancolia. A primeira é constante e a segunda acontece através de intervalos da vida. Todo mundo sabe que ser feliz para sempre não existe, há períodos que estamos tristes e este processo faz parte do crescimento individual de cada um. Habitamos um mundo que se confunde euforia com felicidade, porém, estar eufórico em muitas ocasiões é mascarar uma tristeza profunda. Viver tem tantas nuances que eu me perco um pouco. Só sei que escolher o caminho mais fácil dos estereótipos e das verdades absolutas, entrarei pelo cano.


quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Sentimento verdadeiro

Sou especialista em natais com crise. No inicio de noventa do final do século XX, minha família passou por um buraco negro econômico. Mas, sobrevivemos e somos mais fortes ainda, mesmo que a ceia de natal seja menor este ano. Momentos de crise nos levam à adaptação, palavra-chave para a sobrevivência das espécies.

O tempo mostra que tudo tem solução, menos a morte. Curioso que nunca gostei muito de me lembrar do final da década de 80 e o início de 90, entretanto começo a sentir saudade, a família estava completa. Mas, sei que a rainha deste lar pode não estar mais com a gente e sim a brilhar no céu, mandando muita energia positiva.

Enfim, que ocorra tudo bem neste natal e que se viva verdadeiramente o sentimento desta época.

Costumes vazios

Família é mais afinidade do que laços de sangue. Muitas vezes, um vizinho o ajuda muito mais que um parente. Há amigos com relações mais profundas que irmãos de sangue. Por isso, no natal, comemore com as pessoas que você ama realmente. Não fique só na reprodução de costumes vazios.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

natais grandiosos do passado

Estou numa fase de não comemorar mais outro natal que chega e sim homenagear outros natais grandiosos do passado. Cumprir os ritos desta época dá vida às minhas recordações.

domingo, 20 de dezembro de 2015

analfabeto

O conhecimento é importante, principalmente, para não ser enganado e nem manipulado. Mas, o que me surpreende é como há analfabetos que conseguem construir uma lar e adquirem bens ao longo do tempo. Muitos têm uma sabedoria de vida abrangente que vem da prática do cotidiano e a qual se pode aprender bastante. Por isso, não se pode confundir analfabeto com ser burro. Há tantas pessoas escolarizadas que só reproduzem sem refletir no que estão fazendo. Enfim ser analfabeto é não conhecer o código de um certo mundo, mas, não significa que não saiba outros saberes mais antigos e importantes.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

" eu te amo"

Não estou julgando, mas, dizer " eu te amo" é muito forte e não se pode banalizar. Por exemplo, escuto artistas dizerem que amam seus fãs e acho isto uma "forçação de barra".
Tudo bem que o artista pode respeitar o público que o admira, até se sentir agradecido e  consequentemente fazer homenagens a ele. Inclusive, há até a possibilidade de existir fãs que possuem um contato mais íntimo com o artista, proporcionando um sentimento mais profundo.
Enfim, não confundam troca, admiração e idolatria com amor verdadeiro, o qual é transcende qualquer outro sentimento.
Amar uma pessoa verdadeiramente é ver sua existência despida de máscaras e o sentimento continuar ainda vivo em você.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Pena que não tem curso

Têm coisas que marcam não é mesmo? Lembro-me que eu brincava com uma menina negra e ela me contou que sua mãe lhe disse que quando crescesse, ficaria que nem a Xuxa: Loira e de olho azul. Olhei para ela sem ação, sua mãe não fez por maldade, talvez, não queria chatear a filha. Amar é muito complicado, pena que não tem curso.

Refúgio

Existem lembranças tão antigas, mas as recordo como se aconteceram ontem. Por exemplo, quando minha mãe fazia o bolo de chocolate com recheio de doce de leite. Ela me dava as latas de leite condensado e a panela para eu raspar. Ficava num canto esperando e impaciente. O natal da minha infância era mais brilhante e mágico, ficava doido para abrir meus presentes que ficavam debaixo da árvore de natal. Recordações lindas que servem como refúgio para descansar um pouco e, depois, com as baterias restabelecidas continuar a travessia.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

NA MEMÓRIA DOS OUTROS

Tornar-me um personagem na memória alheia me assusta, pois sinto uma impotência de não poder controlar minha imagem na mente do outro. Por isso, sempre me pergunto o que as pessoas acham de mim e se o que pensam fazem da parte da verdade da minha existência. Até quando sou responsável e inocente sobre as opiniões que têm ao meu respeito? Tenho a consciência limpa de que sou correto nas minhas atitudes e se outro pensa qualquer coisa sobre mim, o problema exclusivamente nele. Não tenho nada a ver com isto.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

machismo

Bem gente, assisti a uma propaganda na tevê que promovia a liberdade das mulheres e criticava os comentários machistas na internet chamando-as de putas entre outras coisas. Achei a propaganda bacana, mas achar que o machista só são os homens é simplificar muito as coisas. Já ouvi várias mulheres denegrirem outras mulheres e até justificar o estupro porque a vítima usava roupa decotada. Até vi uma cena em uma moça dizia que a outra tinha cara de piranha ao ver a rede social dela. O homem pode ser machista, porém, várias mulheres conseguem ser muito mais preconceituosas. Portanto, vocês, mulheres, já sabem se defender dos homens, agora, das outras? Sabem se defender?

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

esvaziando

domingo melancolia programas do Faustão do fantástico madrugada de segunda avança insônia medo angústia dos últimos acontecimentos de repente ouço uma música antiga brega foda-se estou exorcizando meus demônios estou me esvaziando

domingo, 22 de novembro de 2015

abismos

Todos nós somos abismos, por isso precisamos construir pontes para nos conectarmos para conseguir a paz. Do contrário, viveremos no caos de cairmos em nós mesmos, principalmente, no ego doentio da hegemonia.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Vamos viver no chique da imaginação...


Nunca gostei de rótulos e frases feitas, pois empobrece a vastidão da alma. Por exemplo, é a frase " sair do armário". Será que só tem um sentido das pessoas assumirem suas preferências sexuais? O ser humano é um bicho tão estranho que oculta tantas coisas no armário escuro do inconsciente. Mulheres que se dizem recatadas escondem seu lado puta, como os cidadãos ditos de bem escondem objetos de suas vítimas (quando saem para caçar de noite)... Enfim, tem tanta gente que oculta várias coisas no armário, que é complicado ficar padronizando esta diversidade em rótulos engessados e cheios de fissuras. Às vezes, tem gente que gosta de imaginar o armário como sendo um portal mágico para um mundo repleto de aventuras e encanto. Vamos ampliar a mente e se livrar dos estereótipos que são bastante deselegantes por sinal, amigos. Vamos viver no chique da imaginação e brincar no arco-íris, encontrando o ouro mágico! NÃO, não tomei o chazinho de cogumelos. Só estou divagando uma ideia recorrente que sempre penso.

sábado, 7 de novembro de 2015

NÃO QUERO ACREDITAR

Assistia ao Filme Êxodo: Deuses e Reis, que é uma nova versão da história bíblica de Moisés e como Deus salvou o povo hebreu da crueldade dos egípcios. Sei lá, não quero acreditar num Deus violento e vingativo. Almejo crer num Deus que vai além de uma forma e que pode está em qualquer lugar. Como já disse uma vez, se o pássaro é de Deus, a barata e outros bichos "asquerosos" os são também. Ele está em mim e não preciso de nenhum guia espiritual para conversarmos. Apesar dos meus defeitos, sinto que me dá força para superar minhas dificuldades. Com o tempo, percebi que ele não vai descer e resolver meus problemas, mas me fazer companhia, apesar de estar em outra dimensão, cuidando dos outros seres. Agora, como Deus é? Talvez seja tudo e nada e nada e tudo.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

EU NÃO ENTENDO

Por que preciso conhecer tudo e ficar conectado o tempo inteiro? Por que quando pergunto algo a alguém, ele me responde para ir ao google? Por que é tão difícil dizer que não sabe, também? Tem gente que pesquisa na internet o tempo inteiro no celular para ficar a par de tudo, para que isto? Não posso fazer a mesma coisa, senão gasto todos os meus créditos e fico impossibilitado de usar o telefone. Sou finito e não dá para saber de tudo e ficar conectado. Agora, filtrarei as informações, minha cabeça está cheia.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

- CORRE QUE NEM HOMEM

Estou começando a correr. Na verdade, alterno caminhada e corrida. Poxa vida, nunca pensei que conseguiria correr um dia e fico feliz pela conquista pessoal.
Hoje, corria tranquilamente, quando um homem de carro gritou para mim: - CORRE QUE NEM HOMEM

Fiquei sem entender, achei tão gratuito o ato de me sacanear e como é correr como homem? O que é ser homem? Sacanear os outros sem motivo? Agredir por motivos irrelevantes? Correr com velocidade como os "homens de verdade" fazem no trânsito? Sinceramente prefiro ser tartaruga a um coelho estressado e desiquilibrado. Passei da fase que deseja mostrar o que posso fazer e sim estou num estágio de mostrar, para mim mesmo, que posso ultrapassar minhas dificuldades, respeitando minhas limitações. Sabe, tem uma coisa, não acredito mais em grandes revoluções que mudam o mundo em curto prazo. O tempo está me mostrando o contrário. As transformações lentas são muito mais duradouras e mudam as estruturas. Portanto, o outro pode achar que não vale a pena minhas caminhadas e corridas, porém, o que vale é eu perceber as mudanças no condicionamento físico. Não preciso ter corpo de atleta para ser feliz e saudável.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Uma questão...

Será que quando você briga com alguém, está realmente brigando com ela ou, na verdade, briga com outras pessoas que já te agrediram e situações que o afligiram? Você projeta experiências vividas no passado? Logo, as brigas que você se envolve é a mesma que o aflige desde a origem de sua existência? Só os cenários e os personagens mudam, mas, o contexto é o mesmo?

domingo, 18 de outubro de 2015

Não escrevo bem, sempre soube disso...

 Mas, continuo porque me faz bem. Inclusive, ajuda-me a entender o mundo, pois, quando escrevo, revejo meus pensamentos e percebo fatos que não tinha visto. Outra coisa, uso a escrita como terapia e como me alivia. Além do mais não preciso gastar dinheiro com analista. Peço desculpas à Língua Portuguesa, se a maltrato todos os dias. Juro que não é por mal! Eu sempre estou tirando dúvidas no dicionário e pesquiso a gramática, já que tenho dificuldade de guardar certas regrinhas básicas. Entretanto, sempre deixo uma "caquinha" pelo meio do caminho. Também, não sou coerente e nem tenho coesão. Sou prolixo e desconexo. Digo tudo isto porque me enquadraram na lei Maria da Penha, por agredir a língua Portuguesa. Convivo com ela todos os dias e constantemente estou maltratando-a. Porém, tenho uma dúvida, e as mulheres que a agridem? Só serão enquadradas por agressão? Enfim, postagem sem sentido que eu fiz. Acho que vou tomar meu remedinho. Estou pelado e com uma faca na mão. Tchau, amigos. Acho que ficarei afastado do face por algum tempo.

sábado, 17 de outubro de 2015

Sejam felizes!

Para os que me acham sem jeito, atrapalhado, mole, avoado, com pouca inteligência entre outras coisas...

Podem até estar certos, mas, descobri a botãozinho do foda-se e o aperto sem remorso. Sou digno e nunca fiz mal a ninguém por querer e tenho berço, porém, não o do dinheiro e sim dos valores sólidos passados pelo meu pai e minha mãe. Tive uma excelente educação, diferente de certas pessoas que só querem viver na superfície e a continuar em seus castelos de areia. A cada risinhos de deboche, ofereço um brinde para a vida que é muito mas do que estas coisas pequenas. Sejam felizes!


segunda-feira, 5 de outubro de 2015

DIAS NUBLADOS

Sei lá, de repente, percebo beleza nos dias nublados. Antes, eu os achava tristes, mas, não são. É a gente que dá valor as coisas e se acredita que os dias ensolarados são mais alegres. Hoje, está um belo dia nublado e a há tanta vida, porém não se está tão exposta como nos dias de sol. Por isso, precisa-se exercitar o olhar e refletir um pouco mais. Dias ensolarados é amor à primeira vista e euforia, já os dias nublados, amor à segunda vista e contemplação.

sábado, 3 de outubro de 2015

De repente, deixei cair o copo no chão. Peguei a pá e a vassoura, juntei os cacos e joguei no lixo. Mas, percebi que o chão ainda tinha fragmentos de vidro que se tornaram pó. Muitas vezes, essas partículas de vidro machucam tão quanto como os cacos grandes, podendo ser até mais perigosos. Mesmos sendo impecável na limpeza, nossos crimes sempre serão revelados pelos vestígios imperceptíveis que deixamos pelo caminho.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

NOVAMENTE



Ontem assisti novamente ao filme Cisne Negro e a história mostra brilhantemente como na arte não adianta só uma técnica apurada, mas necessita passar emoção também.
Nina é uma jovem bailaria exemplar e com o domínio dos passos e saltos, só que não consegue transmitir emoção. Quando consegue o papel principal do Cisne Negro, sente dificuldade de fazer a irmã gêmea má, pois não consegue sensualizar, mesmo desempenhado bem a personagem da irmã boa que é transformada em um cisne.
Nina não consegue lidar com o fracasso e tem distúrbios psicológicos e psíquicos. Na verdade, ela quer desempenhar o papel da boa menina e aluna aplicada, mas a profundeza de seu inconsciente prega peças nela. Ela se depara com outra Nina, mais selvagem e obscura.
Quantos de nós somos que nem Nina, tentamos ficar na superfície das máscaras sociais e não nos adentramos no fundo do mar para encontrar a verdadeira individualidade?
Nina achava que os outros queriam prejudicá-la, porém era ela sua pior inimiga. Na verdade, projetava-se nos outros. Talvez, se aceitasse fragmentada e não somente a boa garota, ela fluiria melhor como bailarina. Poderia até se tratar com um psiquiatra para melhorar de seus distúrbios e até de uma possível esquizofrenia...
Por isso, faço o oposto de Nina e admitido minhas fraquezas e obscuridade. Assim, fico alerta em relação às armadilhas de meu inconsciente.


sábado, 12 de setembro de 2015

sobrevivência



Quando fui jogar o lixo, vi duas pombas disputando território. No início, arrependi-me por não ter levado o celular para tirar foto. Mas, talvez, foi melhor assim, para que eu pudesse digerir a imagem e não só fotografa-la sem pensar. Fiquei aterrorizado com a violência das duas pombas, criaturas aparentemente frágeis. Elas lutavam pela sobrevivência e entrei em contato com a brutalidade viva, a qual é completamente pura sem nenhum tipo de moral. Até as plantas disputam entre si por espaço. Observar esta violência genuína me deixou sem ação e só olhava fixamente aos dois pássaros e pensando que eu a tenho, também, dentro de mim. Principalmente, com a finalidade de manter minha sobrevivência. As pombas e eu estamos no mesmo barco e este fato me apavora.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

A HUMANIDADE AINDA TEM ESPERANÇA

Hoje percebi que o ser humano ainda tem esperança. Quando atravessava a rua, assustei-me ao ver uma senhora quase ser atropelada. Ela ficou nervosa e não conseguia se mover. Um homem ajudou-a completar a travessia. Pois é, há vários casos assim, em que anônimos viram heróis e ajudam o outro sem nenhum tipo de interesse. Fiquei até com vergonha, poderia ter ajudado à senhora também. Mas, na hora, fiquei sem ação e além do mais sou uma pessoa falha. Confesso minhas imperfeições. Muitas vezes, sou antissocial, mal humorado e distraído. Assim, tento encara-las de frente, sem somatiza-las. Não quero mais usar uma máscara para agradar ninguém. Enfim, a humanidade ainda tem jeito, não somos pecinhas programadas pelo sistema, ainda existe a espontaneidade individual que faz diferença no mundo.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

limitado

Sou limitado e me esforço para superar minhas dificuldades. Por isso, cada conquista, mesmo pequena, fico feliz.
Adaptar-se é fundamental para sobrevivência e, no meu tempo, estou conseguindo me reconstruir. Sou completamente diferente em relação há cinco anos.
Agora, não vou me preocupar se os outros reparam, esmerando- me para provar qualquer coisa. Não preciso que ninguém legitime minhas atitudes, já falei isto várias vezes.
Sou esforçada e vou até meu limite e sei que pago um preço por isto. Mas, prefiro me aceitar a fingir ser alguém que não sou. Não tenho perfil para ser líder, nem chefe e aquele tipo de pessoa que consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo.
Sou lento, porém, não resignado e tento lidar com esta minha característica o melhor possível. Inclusive, aprender a não me importar com opinião alheia. Há certas pessoas que pensam que são muito importantes tadinhas. Falta-lhes humildade.
Enfim, tenho uma história de vida que me leva à sabedoria de viver, enquanto o resto é exclusivamente fragmentos de interpretações.

sábado, 15 de agosto de 2015

paz

Às vezes me pego pensando em você, imaginando os filmes de suspense que iria gostar de assistir, nas reações ao se deparar com algo inusitado e nas broncas quando faço uma brincadeira sem graça. Curioso é que não sinto saudade ainda, você está tão viva em mim que, às vezes, esqueço que partiu. Mas será que foi embora realmente, ou, ainda está por aqui zelando os seus como uma leoa? A casa continua sendo tão sua que, quando chego, sinto paz.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

nada contra a ambição

Não sou contra a pessoa ser ambiciosa, só não gosto da exploração em relação ao outro, transformando o trabalhador em escravo. Se quer ganhar dinheiro, faça com dignidade. Não dê menos e nem mais( se não quiser), mas o justo. Por isso, tenho minhas ressalvas com o serviço de call center, não pelos funcionários , mas, em relação ao sistema que explora os funcionários ao máximo. Há casos que o indivíduo tem que ir ao banheiro cinco minutos, do contrário, será punido. Que coisa triste, a escravidão acabou há muito tempo! Muitas empresas de call center vão aos lugares mais pobres com a finalidade de explorar os mais necessitados e conseguem lucros inimagináveis, enquanto à população passa necessidade. Inclusive, o fato de trabalhar seis horas, os benefícios são reduzidos e, na maioria das vezes, trabalha-se muito mais se a jornada fosse de oito horas. Enfim, amiguinhos do face, ser ambicioso é uma coisa, agora, inescrupuloso é muito nocivo à sociedade.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Quer falar sobre política...


Não avance o sinal
Não jogue lixo na rua
Atravessa na faixa de pedestre
Não ouça música nos transportes públicos sem fone de ouvido
Não destrua os bens públicos que com certeza farão falta à população

Busque usar a ética em seu cotidiano e não a coloque nos planos das ideias, respeitando o espaço do outro como se fosse o seu

náufragos

Quando vejo duas pessoas conversando, questiono-me se estão se comunicando ou batem papo com suas próprias imagens refletidas no mar. Pois, são náufragos isolados em uma ilha deserta.

especial

Falar " EU TE AMO" é tão especial... E muitos a banalizam como se tivessem pedindo uma faca para passar manteiga no pão ou para ver uma roupa ao vendedor. Se não sente , não diga nada. É mais digno!

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

FINITO



Sou Eduardo Oliveira Freire tenho 36 anos e farei 37 em 27 de dezembro de 1978. Já vejo através do espelho pelos brancos e rugas de expressão.  Percebo que o tempo veio me cobrar às opções que escolhi ao longo da vida. Não sou exemplo para ninguém, mas gosto de viver. Que venha o tempo! Estou pronto para ele! Sou filho de meu pai e de minha mãe, logo, herdei um pouco a força dos dois. Não sou tão admirável, porém, aprendi muita coisa com eles, principalmente, os valores familiares (não estou me referindo aos mascarados por palavras bonitas e ocas e sim os autênticos que só se mostram por meio de atitudes).

Meu corpo é finito e servirá de alimento aos vermes, todavia, minha alma encontrará a paz ao lado dos que eu amo de verdade.


quinta-feira, 6 de agosto de 2015

CORDÃO UMBILICAL( crônica antiga 2010)


Sempre me incomodei com alguns comentários de que se não sei fazer alguma coisa simples ou se cometo erros é devido à educação dada por meus pais.

Sou adulto, e se houve alguns equívocos deles, tenho discernimento para correr atrás do prejuízo.

O livre-arbítrio de cada indivíduo não conta? Ao longo desses trinta e dois anos acumulei sonhos e fracassos e devo administrar isto. Pai e mãe sempre querem o melhor para os filhos, mas algumas vezes podem errar tentando acertar.

Os filhos não devem usar isso como desculpa e se vitimizar por não terem conseguido seus intentos.

No meu caso, o cordão umbilical foi cortado há bastante tempo.


quarta-feira, 29 de julho de 2015

"SHOPE"

Fazendo uma pesquisa no Google, descobri que chope em alemão é schoppen. Será que quando escrevi (S)hop, na verdade, não errei simplesmente, mas meu eu de agora entrou em divergência com meu outro eu do passado que viveu na Alemanha? Sempre achei que experimentei outras vidas, uma vez, lembrei-me de quando era uma bactéria que chegou por aqui, através de um meteoro.

terça-feira, 21 de julho de 2015

MELECA


Pois bem, conversando com pessoal do trabalho, uma colega me avisou e me senti nu. Pois, minha fragilidade foi exposta, mostrando como sou meramente um indivíduo. Isto sempre acontece, quando se arrota ou peida em público e parece que uma onda de olhos derrubará a gente.




Hoje, isto aconteceu comigo, uma meleca apareceu na minha mão e nem me lembro de ter cutucado meu nariz. Talvez, quando assoei, ela foi lançada na minha mão e nem percebi. Mais uma vez a ideia de que tenho controle absoluto da situação caiu por terra de novo. Descobriram minha imperfeição e o que farei? O que me resta é continuar a viver e tentar não acumular neuras. 

Outro fato, uma amiga muito querida me disse que preciso ter cuidado na hora de escrever, pois estou a errar muito na concordância. Realmente, ela está certa, muitas vezes, fico com pressa de escrever e meus pensamentos são mais rápidos que minhas mãos. Aí, como sempre, deu-me toques que mostram o significado uma amizade verdadeira está em corrigir o amigo e não só fazer elogios estéreis.

Enviou-me por e-mail a seguinte frase que me marcou bastante: “Nunca subestime o poder de sedução de um vocabulário decente”. Para quem almeja ser um escritor um dia, esta frase deve se transformar num mantra.

Enfim, depois da escatologia, erros de concordância e revelações existências... Precisei escrever algo, para me ajudar a refletir sobre os últimos acontecimentos.

Cada um escolhe seu caminho, se querem sair do país, desejo boa sorte para encontrarem o caminho de vocês. Sem julgamentos e patriotismo hipócrita, acho que precisamos ser donos de nós mesmos. Agora, eu não vou embora, porque, no país onde moro está meu lar, que é minha família e sem ela perco minha identidade. Podem me chamar de covarde, estou nem aí, mas não largarei meu lar por uma aventura. Mas será que lá fora está tão bom assim? Para quem? Essas perguntas precisam ser feitas, pois, por exemplo, EUA não é só Hollywood e França não é Paris. Sei lá, acho que as pessoas precisam ter cuidado com os castelos frágeis e imaginários que podem ser destruídos pela onda-realidade. Refiro-me às pessoas que entrarem ilegalmente no país e acham que conquistarão a América e a Europa, pensando que estes dois lugares são verdadeiros paraísos, onde encontrarão a felicidade absoluta.

***
Ao ler de novo encontrei lapsos, erros e incoerências. Revisei e acho que está sanado. Curioso que, no Word, o corretor de ortografia alega que estou errado ao escrever assoei e que o certo é assuei. Procurei no Google e estou certo: 

“O verbo assoar se refere ao ato de limpar o nariz, expelindo o muco nasal através de ar fortemente expirado pelo nariz. O verbo assuar se refere ao ato de insultar com vaias ou de reunir pessoas para um motim.” 

domingo, 19 de julho de 2015

BOA SORTE!!!

Cada um escolhe seu caminho, se querem sair do país, desejo boa sorte para encontrarem o caminho de vocês. Sem julgamentos e patriotismo hipócrita, acho que precisamos ser donos de nós mesmos. Agora, eu não vou embora, porque, no país onde moro está meu lar, que é minha família e sem ela perco minha identidade. Podem me chamar de covarde, estou nem aí, mas não largarei meu lar por uma aventura. Mas será que lá fora está tão bom assim? Para quem? Essas perguntas precisam ser feitas, pois, por exemplo, EUA não é só Hollywood e França não é Paris. Sei lá, acho que as pessoas precisam ter cuidado com os castelos frágeis e imaginários que podem ser destruídos pela onda-realidade. Refiro-me às pessoas que entrarem ilegalmente no país e acham que conquistarão a América e a Europa, pensando que estes dois lugares são verdadeiros paraísos, onde encontrarão a felicidade absoluta.


segunda-feira, 13 de julho de 2015

Erros que preciso sempre relembrar para não cometê-los mais...


Limãos/ limões
Faixaetária/ Faixa etária
Soltar no escuro/ Saltar do escuro
De vez enquando/ De vez em quando
Nada haver/ Nada a ver
Talves/ Talvez
Vós/ Voz
Concerteza/ Com certeza
Já disse sobre isto, gosto de escrever para perceber minhas imperfeições e como devo correr atrás para supera-los.

terça-feira, 30 de junho de 2015

resgate

Recordo-me que quando era muito pequeno, acordei e fugi sozinho para o mar. Minha mãe foi até mim para não me afogar e fiquei zangado. Agora, percebo que ela estava-me a proteger das profundezas do mar.

Aliás, até hoje ela me resgata através desta recordação antiga.

belezas escondidas...

Gosto de encontrar belezas escondidas no cotidiano, parece que descubro tesouros que deixarão minha vida menos pobre. Belezas exuberantes como numa viagem são dadas para gente, diferente das ocultas, as quais precisamos exercitar o nosso olhar todos os dias e não deixando a apatia dominar nossa alma. Pois, viajar pode se fazer todos os dias.

sábado, 20 de junho de 2015

INVEJA

Acabei de ler um texto e fiquei com inveja. Aí, senti-me culpado. Por que da culpa? A inveja é um sentimento como outro qualquer, ao invés de me considerar o pior dos homens, tentarei lidar com meu lado invejoso e assim me tornar uma pessoa melhor. Tanto os sentimentos bons como ruins servem para provar que estamos vivos, logo, devemos agradecer que ainda pulsam na gente.
A inveja está muito ligada à admiração e se admiro alguém significa que não estou oco por dentro, pelo contrário, meus sonhos e desejos fervilham em mim.
Por isso, chega de dramas. Enfrentarei minha inveja de frente e assim irei me tornar mais forte!

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Caraca!!!!

Têm pessoas que não são jornalistas e nem espiões, mas, conseguem montar toda uma rede de contatos para fazer algo muito "útil": FOFOCAR. Conectados o tempo inteiro nas redes sociais( até mesmo trabalhando) puxam e trocam informações sobre quem chega e quem vai embora. Fico abismado com a complexidade da teia de intrigas que produzem, sendo mais eficiente que jornalistas especializados em fofocas e até mesmo espiões da CIA. Gastam tanta energia com fuxicos que fico perplexo com tanta perda de tempo. Aí, podem me questionar:" E você que escreve posts longos no face e ninguém lê?". Realmente, posso até estar perdendo tempo, porém, não prejudico ninguém e cuido da minha vida, já que quando escrevo, estou me esvaziando para me preencher novamente, inclusive, ao queimar minha mufa para escrever, percebo fatos que antes passaram por mim despercebidos. As redes sociais são um potencial tão grande para a divulgação de ideias diversas e ainda fortalecer a democracia, entretanto, há gente recalcada e mal resolvida que as usam com a finalidade de só fazer futricas maldosas. Fica a dica: Vão cuidar da vida de vocês!!!!!!!!!!!!

Acham que sabem de tudo, mas não conhecem nada, estão com as cabeças enfiadas num buraco bem escuro. São dignos de pena!

Aprendendo a viver e apreciar a vida

Estou gostando tanto de lidar com o fato de ser comum ou um fragmento que se integra no universo. Perceber que para conseguir meus objetivos, preciso correr atrás como todo mundo. Entretanto, não posso esquecer de que preciso respeitar os limites do meu corpo e alma. Anos atrás, acho graça como me levava a sério, acreditava que tinha algum talento oculto e que só precisava de uma ajuda para deslanchar. Hoje, morro de rir como fui tolo e o tempo me revelou que não posso ficar me lavando a sério cem por cento. Mas, ao mesmo tempo, preciso lidar com a passagem do tempo e sempre buscar minha identidade e essência. Tenho a impressão que já falei sobre o assunto por aqui, teve uma época que só porque fiz duas oficinas literárias, eu me achei apto para enviar meus textos em sites literários e originais para editoras, CONCLUSÃO, UM MICO terrível e morro de rir com esta experiência malsucedida. Hoje, estou aprendendo a viver e apreciar a vida, sem ficar mais idealizando muito e isto me libertou.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Às vezes...

 Viver é pesado, por isso, é bom caminhar, escrever, ler, dar uma boa risada e pensar nos instantes bons e felizes. Quando comecei a fazer isso, aprendi a lidar com meus recalques e não usar os outros para projeta-los, pois, ninguém é privada para que outro descarregue suas impurezas e mazelas. Ratifico! Usem a arte e a atividade física como terapia para limpar a mente.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Ser nu é me descobrir ser vários pedaços que se unem...

Persona é um papel social ou personagem vivido por um ator. É uma máscara feita para ressoar a voz do ator, proporcionado que fosse bem ouvida pelos espectadores, bem como para dar ao ator a aparência que o personagem exigia.
No ambiente em que vivo, sempre ouvi de modo pejorativo sobre as máscaras e quem as usa são falsas, já que atuam para enganar os outros. Nunca concordei com este preconceito. Elas são minhas companheiras para enfrentar as adversidades da vida.  Fragmento-me em várias personas e gosto de viver este processo, pois ao administrar minhas máscaras ou personagens, desvendo-me e consigo encontrar a nudez da minha essência.

Para mim, ser nu é me descobrir ser vários pedaços que se unem, formando meu EU. Não tem nada a ver com falsidade ou dissimulação.

domingo, 17 de maio de 2015

MADRUGADA DE SEGUNDA

Um som ao longe denuncia a resistência dos que odeiam a segunda-feira. Motos barulhentas cortam as ruas na maior velocidade. Cachorro late. Roncos do quarto ao lado ecoando pelo corredor. Uma parte de mim quer dormir e a outra continuar a navegar na internet. Passos na rua deserta, imaginação à flor da pele. Quem será? Vou à janela e não vejo nada.  Talvez o solitário que caminha pela madrugada de segunda seja eu... 

PODEM DIZER O QUE QUISER

Podem dizer que sou só uma peça
Podem dizer que sou só marionete
Podem dizer que não sou inteligente
Podem dizer que o SISTEMA me engole
Mas, eu sei a verdade
Podem me dominar através do espaço e do tempo
Mas, nunca minha mente
Posso ser " aparentemente" domesticável, mas, a fera está em mim.


sábado, 9 de maio de 2015

Texto antigo...



Tenho medo de me tornar alguém que repudio. Não quero ser egoísta e usar as pessoas. Não quero me infantilizar, para que os outros tenham pena de mim. Quero ser forte, aprendendo a lidar com minhas imperfeições. Tenho pensamentos sombrios e o domo todos os dias. Quero ser bom. Expor meu íntimo e adentrar em uma nudez mais profunda do que tirar a roupa. Cacete, esse texto está uma bosta e deve ter um monte de erros. Foda-se! Escrevo para mim. Não faço literatura. Neste espaço sou alguém que escreve, não um escritor.  

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Pequenas vitórias e ao poucos...

Já falei sobre isto, mas é que cada vez mais acredito nas pequenas vitórias. Por exemplo, ganhei dois bombons e comi um depois do almoço e o outro no lanche. Fiquei feliz com essa atitude tão banal, antes devoraria os dois no mesmo instante, já que sempre fui muito guloso.  Antes, ao fazer dietas, trancava meu lado esfomeado no calabouço e o saltava quando emagrecia, então, resolvi mudar de tática e aprender a lidar com ele e não mais aprisioná-lo até explodir. Hoje, estava com preguiça de caminhar, mas insisti e fiz um bom exercício, apesar dos outros me ultrapassarem. Acordar cedo sempre foi um parto doloroso para mim e nunca pensei que acordaria sozinho e hoje me disciplino todos os dias para manter este hábito. Outra coisa que gostaria de dizer, é que acredito que as verdadeiras mudanças estruturais vêm de dentro e é aos poucos. Cada um encontrará o seu jeito para melhorar sua qualidade de vida. Não creio mais em GRANDES MUDANÇAS que chegam à velocidade da luz e “receitas de bolo” para o sucesso. Todos nós somos únicos e juntos formamos o universo-diverso, por isso nunca concordarei com rótulos que empobrecem a essência do ser.

AMIZADE

Muitos confundem amizade com cooperação, mas, lógico, que uma amizade precisa de cooperação e reciprocidade. Agora, a amizade verdadeira é uma relação mais profunda que não envolve só troca de favores e um ajudando o outro para manter o equilíbrio na sociedade. Ela não é meramente funcional. A verdadeira amizade se manifesta quando o outro não tem nada para dar e mesmo assim a pessoa amiga continua lhe fazendo companhia. Também, quando há uma comunicação entre ambos e isso é difícil de acontecer hoje em dia.

Por isso que acredito que encontramos mais colegas que amigos.

terça-feira, 14 de abril de 2015

NUNCA FUI PRAGMÁTICO

Dizem que as redes sociais precisam de brevidade, mas, uso o face para experimentar, então, se postarei um testamento e ninguém for ler não importa. Como já disse, diversas vezes, meu Facebook ê um bloco de notas e não há nenhum sentido prático nisto, mas sou movido pela minha lógica(ilógica) particular. Nunca fui pragmático e sempre paguei um preço muito caro por isso. Tenho facilidade de desfocar e de repente observar a beleza de uma árvore destorcida. Se eu quiser me alongar em um post e não ser lido é uma escolha minha para exercer a liberdade. Aqui, no face, posso me expressar à vontade e não preciso mais que alguém legitime ou edite minhas ideias. Eu faço isso sozinho. Inclusive, sair escrevendo é bom porque surgem as dúvidas de como se escreve uma palavra entre outras questões ortográficas e gramaticais. Além de inventar personagens e histórias que surgem na cabeça. Enfim, nada mais a declarar.

domingo, 12 de abril de 2015

tesouro

Temos um tesouro escondido que só nós vemos valor. Por isso, não há necessidade de compartilhar, mas guardá-lo onde vivem nossos sonhos.


sábado, 11 de abril de 2015

NA BOA

Gente, na boa, as pessoas estão surtando cada vez mais, inclusive, com pouca coisa que pode ser facilmente resolvida. Estou com medo de ser agredido por alguém só porque esbarrei sem querer nele no ônibus. Muitos podem achar exagero, mas percebo isto faz tempo. Por isso, necessita-se de mais civilidade e respeito ao outro, porque sem ordem não tem como exercer a liberdade individual. Outro fato, estou perdendo o gosto de sair de casa, sinto-me tão coagido com a falta de educação alheia que prefiro ficar no meu quarto escuro e ouvir a bela melodia do silêncio.

segunda-feira, 30 de março de 2015

desabafo

Bem gente, é o seguinte não sou psiquiatra para lidar com bipolares e nem endocrinologista para lidar com hormônios a flor da pele.  Acho que cada um tem que administrar seus recalques sem incomodar os outros. Tenho muitos e não fico descontando em ninguém por aí!!!!  Eu sempre estive na minha e não precisam gostar de mim. Sempre vivi do meu jeito sem representar uma caricatura de mim mesmo, como certas pessoas. Por toda minha vida me mantive quieto para não chatear ninguém, mas há momentos que o sangue ferve, principalmente, quando querem te fazer de otário gratuitamente e desestabilizar seu emocional. Como já disse escrever é uma forma de libertação para mim. Logo, vou desabafar tudo que sinto, não estou denigrindo ninguém, só desenvolvo meus argumentos. Quero dedicar este texto sofrível para este mundo doente, onde não há reflexões profundas do ser e sim superficialidade. Não me refiro ao conhecimento acadêmico o qual é uma especialização de um saber, mas um conhecimento que abrange intuição, intelecto, lógica e sentimentos. A junção desses elementos transformará o mundo, porém a revolução não é de fora para dentro, é ao contrário. Por isso, vamos voltar para si ao invés de nos fazermos de vítima. Tenho esperança de que um dia isto possa acontecer.   Obs: Para os que acham que face não diário íntimo, deletem-me por favor. 

domingo, 22 de março de 2015

medíocre

Sim, sou medíocre e estou aprendendo a lidar com isso. Por isso, desejo ter plano A, B, C, E... para sobreviver. Não quero mais ser concreto que pode ser destruído a qualquer momento, prefiro ser uma planta maleável que, mesmo castigada pelo vento, consegue viver. Estou voltando para as pequenas coisas da vida, não tenho mais saco de voar nos sonhos gigantes de projetos fantásticos. Escolho viver para consertar meus erros e seguir adiante. Sou um esboço rasurado e me aceito como sou.

sábado, 14 de março de 2015

mariposa

Estava no ônibus e senti alguma coisa no meu casaco. Pensei que era barata, mas era mariposa. Minha prima me disse que ela significava sorte, logo, levei-a até minha casa e quando a coloquei no pequeno jardim, ela voou rumo à escuridão da noite. Bem, não sei se terei sorte, porém, o encontro foi proveitoso, pois saí um pouco do umbigo da minha humanidade e viajei para outras realidades mais antigas.

domingo, 1 de março de 2015

Autoavaliar

Autoavaliar

Já falei sobre isso, mas não consigo parar de me surpreender de como estou à espera que alguém curta o que publico por aqui. Parece que fico mais concreto, quando recebo uma curtida. Caraca, como posso ser, " às vezes", meramente tolo? Para que preciso de curtidas para legitimar o que digo? Tenho bom senso para me autoavaliar e não necessito da aprovação dos outros. Com certeza sofro a influência desta sociedade que valoriza muito as celebridades, inclusive, quem consegue milhares de likes e seguidores nas redes sociais. Tem gente que troca um amigo de verdade por vários seguidores ou fãs e, o pior, é que existe a fama pela fama. Antes, as pessoas eram conhecidas porque faziam algo interessante, hoje, certos indivíduos querem ser famosos primeiro, para depois pensar no que farão para manter a celebridade. Sempre ouço artistas antigos que dizem que seus respectivos ofícios eram malvistos, diferente de hoje em dia em que todo mundo quer ser artista. Será que só desejo aparecer? Talvez, um pouquinho. Porém, não quero fazer de tudo para conquistar isso... Engraçado, que sempre estou em paradoxo e sempre preciso me ponderar.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

No campo..

 a escuridão fica mais densa e viva. Quem atravessa por ela bem, é porque está em paz consigo mesmo. Agora, quando o caos interno está no ápice, a explosão viva do breu da noite torna-se uma assombração, estimulando medos antigos e traumas. Um olhar de uma coruja pode se comparar a de um inquisidor.

direito...



Gosto deste direito de deletar o que publico no face. É bom ser nosso próprio editor e ser autocrítico, percebendo que não ficou bacana o que escreveu. Por isso, sempre deletarei meus posts que não gostei. Pois, para acertar, precisa-se errar e tentar de novo.

Batido

Sei que isso é muito batido, mas, fazer as coisas e esperar o reconhecimento dos outros é um erro terrível. Meus pais sempre falaram isso para mim e tento não esperar por ninguém, pois, quando não aguardo, torno-me livre. Também sinto esta sensação de liberdade, ao descobrir que não existe liberdade. Mesmo fazendo o que gosta, o indivíduo precisa pagar o preço de sua escolha. Ninguém só faz o que deseja, isso é ilusão. Enfim, ficar preso em ilusões não deixa de ser uma forma de prisão.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

OK...



De repente, transformei-me em caçador de belas imagens, as quais muitas vezes são ocultas pelo cotidiano e o tempo corrido. Quando consigo fotografa-las sinto alegria de viver. Pois, percebo que não virei um autômato que vaga por aí, sem nenhum tipo de sensibilidade para admirar as coisas belas e simples que jorram quase imperceptíveis nesse mundo moderno, consumista e veloz. Inclusive, sinto liberdade de viajar a outros sentires, sem sair de casa. Outro fato, sou também TIRADOR DE FOTO MALFEITA DE CÂMERA DE CELULAR QUE ABUSA DOS FILTROS DO EDITOR DE FOTOS E DO INSTAGRAM. Tenho a consciência que não sou fotógrafo e nunca vestirei uma camisa que não é minha. Uma das minhas poucas virtudes é saber me colocar no meu lugar e ninguém precisa fazer isso por mim, OK.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Historinhas



De repente, vejo a danadinha da pomba a descansar no parapeito do basculante. Já tirei uma foto dela, mas como a vidraça é translúcida, não dá para vê-la nitidamente, só seu contorno. Ela fica ali o tempo todo. Quando termino anotar algumas coisas, vejo-a ainda basculante. Sinto pena e percebo como sou tolo, ao inventar uma história triste para ela e me sentir alguém especial por ser benevolente com ela. Ela é o que é e está mais próxima do divino do que eu, que fico inventando "historinhas".

Confesso...

Tenho preconceito com pessoas que dizem não ter nenhum tipo de preconceito.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

tudo tem um jeito

Fodeu
Perdeu
A vida é assim
Relaxa
Perder faz parte
Cura as feridas
Siga em frente
Tudo tem um jeito
O que não tem solução

A morte

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

reconhecimento universal

Sou a favor do relativismo cultural, que visa respeitar a cultura do próximo. Mas, acredito que há um reconhecimento universal entre os indivíduos que faz com que haja solidariedade entre eles, mesmo que sejam de povos e etnias diferentes. Sei lá, uma ética que ultrapasse os valores locais de uma região, valorizando o humano em si e não as representações sociais.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Uma vez...

 Li um conto que me marcou bastante: A TERCEIRA MARGEM DO RIO de Guimarães Rosa. O relato conta a história de um homem que ficou em seu barco, no meio do rio, vivendo em um mundo à parte. Então, imaginei que dentro de mim existe a terceira margem do rio, ondo fico um pouco para descansar do cotidiano. Depois, retorno com meu barquinho, quando o sol começa a nascer e os passarinhos a cantarem.

aniversário...


Pessoal, este ano faz dez anos que fiz meu primeiro blog no uol e depois mudei para blogpost. Parece que foi ontem! Aprendi, errei e persisti. Não ganhei dinheiro e nem prestígio, continuo um ilustre desconhecido. Porém, o  que  conquistei foi encontrar minha individualidade e assimilar melhor as informações que encontro pelo caminho, uma vez que quando escrevo, passo a limpo pensamentos e revejo até minhas opiniões. Sei que tem muitos textos meus que não são publicáveis e nem possuem valor literário. Mas, divirto-me experimentar e ensaiar uma reflexão, mesmo que não seja tão original e sim reflexo do senso comum.  Por mim, continuarei muitos anos a escrever, a errar e a superar os equívocos. Porque como já disse várias vezes, descobri na escrita uma forma de terapia e, também, um tipo de exorcismo de meus devaneios. Ia me esquecendo... Há cinco anos faço vídeos também, minha atuação é  péssima e tenho poucas visualizações, inclusive. Entretanto, persisto! Ficarei um velhinho que posta textos e vídeo na Internet, bem...

Se o mundo não acabar antes. 
Ou se eu  não morrer antes...

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

REVIVER

Numa manhã apressada, de repente, peguei um livro que há muito tempo parei de ler e fui à parte marcada. Curioso, senti que tinha encontrado uma parte de mim, que havia esquecido há muito tempo. Isso já aconteceu várias vezes comigo, como se revivesse outros tempos mortos que jazem nas profundezas de mim. Viver é recordar, já a morte é o esquecimento.

Reviver tempos mortos é semear vida.

Eu e você

Eu sou eu, você é você. Mas, para saber quem sou, preciso conhecer você, que também tem que me encontrar, para saber quem é você. Ninguém se conhece sozinho, precisa do outro para se reconhecer como indivíduo.