terça-feira, 30 de junho de 2015

resgate

Recordo-me que quando era muito pequeno, acordei e fugi sozinho para o mar. Minha mãe foi até mim para não me afogar e fiquei zangado. Agora, percebo que ela estava-me a proteger das profundezas do mar.

Aliás, até hoje ela me resgata através desta recordação antiga.

belezas escondidas...

Gosto de encontrar belezas escondidas no cotidiano, parece que descubro tesouros que deixarão minha vida menos pobre. Belezas exuberantes como numa viagem são dadas para gente, diferente das ocultas, as quais precisamos exercitar o nosso olhar todos os dias e não deixando a apatia dominar nossa alma. Pois, viajar pode se fazer todos os dias.

sábado, 20 de junho de 2015

INVEJA

Acabei de ler um texto e fiquei com inveja. Aí, senti-me culpado. Por que da culpa? A inveja é um sentimento como outro qualquer, ao invés de me considerar o pior dos homens, tentarei lidar com meu lado invejoso e assim me tornar uma pessoa melhor. Tanto os sentimentos bons como ruins servem para provar que estamos vivos, logo, devemos agradecer que ainda pulsam na gente.
A inveja está muito ligada à admiração e se admiro alguém significa que não estou oco por dentro, pelo contrário, meus sonhos e desejos fervilham em mim.
Por isso, chega de dramas. Enfrentarei minha inveja de frente e assim irei me tornar mais forte!

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Caraca!!!!

Têm pessoas que não são jornalistas e nem espiões, mas, conseguem montar toda uma rede de contatos para fazer algo muito "útil": FOFOCAR. Conectados o tempo inteiro nas redes sociais( até mesmo trabalhando) puxam e trocam informações sobre quem chega e quem vai embora. Fico abismado com a complexidade da teia de intrigas que produzem, sendo mais eficiente que jornalistas especializados em fofocas e até mesmo espiões da CIA. Gastam tanta energia com fuxicos que fico perplexo com tanta perda de tempo. Aí, podem me questionar:" E você que escreve posts longos no face e ninguém lê?". Realmente, posso até estar perdendo tempo, porém, não prejudico ninguém e cuido da minha vida, já que quando escrevo, estou me esvaziando para me preencher novamente, inclusive, ao queimar minha mufa para escrever, percebo fatos que antes passaram por mim despercebidos. As redes sociais são um potencial tão grande para a divulgação de ideias diversas e ainda fortalecer a democracia, entretanto, há gente recalcada e mal resolvida que as usam com a finalidade de só fazer futricas maldosas. Fica a dica: Vão cuidar da vida de vocês!!!!!!!!!!!!

Acham que sabem de tudo, mas não conhecem nada, estão com as cabeças enfiadas num buraco bem escuro. São dignos de pena!

Aprendendo a viver e apreciar a vida

Estou gostando tanto de lidar com o fato de ser comum ou um fragmento que se integra no universo. Perceber que para conseguir meus objetivos, preciso correr atrás como todo mundo. Entretanto, não posso esquecer de que preciso respeitar os limites do meu corpo e alma. Anos atrás, acho graça como me levava a sério, acreditava que tinha algum talento oculto e que só precisava de uma ajuda para deslanchar. Hoje, morro de rir como fui tolo e o tempo me revelou que não posso ficar me lavando a sério cem por cento. Mas, ao mesmo tempo, preciso lidar com a passagem do tempo e sempre buscar minha identidade e essência. Tenho a impressão que já falei sobre o assunto por aqui, teve uma época que só porque fiz duas oficinas literárias, eu me achei apto para enviar meus textos em sites literários e originais para editoras, CONCLUSÃO, UM MICO terrível e morro de rir com esta experiência malsucedida. Hoje, estou aprendendo a viver e apreciar a vida, sem ficar mais idealizando muito e isto me libertou.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Às vezes...

 Viver é pesado, por isso, é bom caminhar, escrever, ler, dar uma boa risada e pensar nos instantes bons e felizes. Quando comecei a fazer isso, aprendi a lidar com meus recalques e não usar os outros para projeta-los, pois, ninguém é privada para que outro descarregue suas impurezas e mazelas. Ratifico! Usem a arte e a atividade física como terapia para limpar a mente.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Ser nu é me descobrir ser vários pedaços que se unem...

Persona é um papel social ou personagem vivido por um ator. É uma máscara feita para ressoar a voz do ator, proporcionado que fosse bem ouvida pelos espectadores, bem como para dar ao ator a aparência que o personagem exigia.
No ambiente em que vivo, sempre ouvi de modo pejorativo sobre as máscaras e quem as usa são falsas, já que atuam para enganar os outros. Nunca concordei com este preconceito. Elas são minhas companheiras para enfrentar as adversidades da vida.  Fragmento-me em várias personas e gosto de viver este processo, pois ao administrar minhas máscaras ou personagens, desvendo-me e consigo encontrar a nudez da minha essência.

Para mim, ser nu é me descobrir ser vários pedaços que se unem, formando meu EU. Não tem nada a ver com falsidade ou dissimulação.